Espirros, coceiras e vermelhidão na pele são sintomas comumente associados a processos alérgicos, que também podem acometer os olhos. Estima-se que cerca de 20% da população apresentem o problema
A oftalmologista do Hospital de Olhos de Pernambuco (Hope), Edilana Sá Ribeiro, ressalta que as alergias oculares mais comuns são a conjuntivite alérgica (sazonal), ceratoconjuntivite primaveril, ceratoconjuntivite atópica e conjuntivite papilar gigante.
É importante evitar contato com os alérgenos, através de medidas de higiene ambiental, como limpeza de cortinas, carpetes e tapetes. Em muitos casos, é preciso retirar essas peças de casa.
“Essa atitude não promove a cura total dessas alergias oculares, mas controla a situação. Para isso, também se pode lançar mão de lágrimas artificiais, anti-histamínicos tópicos, estabilizador de mastócito e corticoides tópicos”, explica Edilana. Para fazer uso de qualquer uma dessas substâncias, é preciso indicação de um oftalmologista, já que a automedicação é muito perigosa.